Fui na nutricionista

Nunca tinha ido, não sabia o que esperar além do clássico: dietinha padrão e ser chamada de obesa.

Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu comigo.

Só que ela não me chamou de obesa, ela me colocou na balança cheia de nove-horas. Ela me mostrou o "resultado" numa página da web, com vários e vários outros números, me colocou como obesa II e me disse que "com esse resultado as chances de blablabla e bliblibli são muito aumentadas".

Aí ela me disse que para sair do "vermelho" eu tinha que pesar 80 quilos, e depois disso eu que decidia.

E eu fiquei pensando nisso.

Não fui preparada para revidar tudo isso na hora, deixei que ela fizesse o que ela está acostumada, e me deixei convencer de que eu tinha que pesar 80 quilos.

Mas, mano, quem disse que eu tenho que pesar 80 quilos?

Quem disse que eu só posso escolher DEPOIS de estar nos 80 quilos!?

Essa é uma escolha SOMENTE minha! Eu que estou assumindo ou não o risco de pesar ou não mais de 80 quilos, não ela. Na verdade, ela deve ter até a lei a protegendo!

Eu não, eu tenho o mundo inteiro contra mim.

E o mundo ainda estará contra mim quando eu pesar 80 quilos. Porque ou eu aparento ser o peso certo, ou o mundo estará contra mim. E se mesmo aparentando pesar o peso certo, eu ainda fizer algo para pisar fora da faixa, o mundo ainda assim estará contra mim.

Para mim, não há escapatória!

E mesmo que a gente pare de considerar o patriarcado. Vamos pensar apenas em risco de morrer!

O risco de morrer tendo o IMC no vermelho é aumentado. E o risco de morrer andando de carro todos os dias?

E o risco de morrer trabalhando 10 horas por dia?

E o risco de morrer com um raio na cabeça?

Além sabe a hora de morrer? Alguém tem certeza quando ou como se vai morrer?

Tudo isso não é sobre como se vai morrer, é como se vai viver até que a morte chegue.

É sobre como eu decido viver a minha vida, os meus dias, o tempo que eu tenho agora. Porque é o agora que eu tenho, e nada mais.

Acredito no equilíbrio para se ter um agora mais extenso. E até respeito quem queira evitar viver o agora para poder viver o depois. Mas eu não quero! Eu não quero pensar em comida o dia inteiro, eu quero ter tranquilidade com a minha alimentação.

Quero comer quando tenho fome, beber quando tenho sede, sair da linha quando tenho vontade e voltar pra linha porque eu gosto da rotina! Eu quero me sentir livre.

E definitivamente não quero ter uma dieta low carb (que ela disse que não faria) e sem glutém (que ela tirou sem me avisar) e definitivamente quero comer frutas, todas as deliciosas e não tão deliciosas frutas que eu quiser (que ela eliminou)!

Estou seguindo o plano alimentar que ela passou, e farei por 15 dias. Vai que eu aprendo alguma coisa?

Mas definitivamente não quero que essa crossfitera que não entende o que é ser eu paute o que eu posso ou não posso comer!

Ela poderia me ajudar a entender do que meu corpo de hoje precisa, e entender como ler os sinais do meu corpo, mas ela não parece ser capaz disso.

Dia 23/08 é meu retorno com ela. E quero voltar lá pra dar a chance dela me ajudar com o que eu realmente preciso, mas também porque eu quero confrontá-la! Quero revidar tudo o que eu não revidei na primeira consulta. Quero dizer que acho um absurdo que ela tenha cortado o meu glutem sem me avisar!

E aquela "torta de liquidificador" que ela me passou não é torta nem aqui nem na china!

E que ela não sabe o que é pão de verdade, por isso acha que aquele pão sem glutem nojento que ela me passou é comida de verdade.

E, quem sabe, se eu falar tudo isso, ela não aprende alguma coisa também. E quem sabe, ela não pode realmente me ajudar com alguma coisa que preste em vez de ficar me colocando pra comer essa ração humana que ela me passou.

Ah, ela me deu 20g de chocolate 70% pra cada refeição grande. Tenho certeza que ela fez isso porque eu disse que tinha vontade de doce sempre.

Aí eu te pergunto:
Tem vontade de viajar sempre?
Quer 100 reais?
Tem vontade de aproveitar o feriado?
Tem vontade de doce?

Acho que essa é meio que unanime, todo mundo quer aquilo que acha que é coisa boa e gostosa!  Querer todo mundo sempre  quer! Nem sempre realmente queremos trabalhar para conseguir 100 reais, mas se alguém oferece nosso desejo é querer.


Comentários

  1. Eu entendo, poxa vida, como entendo! Essa restrição, proibição, é a coisa mais violadora que eu conheço até então, eu não tenho estrutura. Você sai do consultório com o atestado de doente, sai de lá se sentindo um lixo. Depois disso, cada mordida se torna uma culpa (como ingerir um veneno que você sente que irá te matar). Não dá para viver de culpa, nem dá para viver de "não". Dá para viver, dá para buscar o que te faz bem. Isso não precisa ser tão doloroso - afinal, uma balança não diz absolutamente nada sobre a gente, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu me senti (e ainda estou me sentindo) bem péssima também. E olha que eu achava que eu tava forte, senão não teria ido. Mas o importante é seguir nossos instintos mesmo, e tentar não ouvir tanto o que as outras pessoas dizem.

      Vamos tentando seguir em frente, né? :(

      Excluir

Postar um comentário